domingo, 15 de junho de 2008

Sobre vácuo... Ou a paz.


Por aqui faz frio, diga-se de passagem, que o frio é quase insuportável em alguns momentos. Poucos, mas momentos em que o espaço vago no peito chega a doer um pouco.

E eu estava andando de bicicleta, em um dia gelado, ou melhor, em uma noite já gelada para a época do ano. E andei por ruas vazias, onde, só o vento me fez companhia. Cortando-me o rosto, deixando meus dedos petrificados e um pouco doloridos. Minto... Muito doloridos... Roxos.

E no tempo, no espaço do tempo, nas ruas frias e o coração vazio. Fiquei pensando exatamente nisso, no coração que estava livre para voar, novo para novas emoções... Pronto para um novo alguém.

E começar pensar nisso, confesso, me deixou pensando: “poxa. Não gosto de ninguém? Coisa triste isso!”. Pensei... que amar é algo bom, é algo saudável para o humor, algo motivador para vida e tudo que se espera para uma pessoa jovem como eu. Amar. Ter algo ou alguém tatuado no peito, cravado nos sonhos e esmerado por um destino inteirinho.

Mas não amar, também é uma opção. Também é um lugar seguro para os sonhos, sim senhor. Sonhos. Sonhar que meu humor depende só de mim, que minhas esperanças repousam apenas nas minhas metas de futuro feliz, que... ai... sei la, eu dependo só de mim. Ninguém abala a minha paz.

Paz. Coisa que tenho e valorizo neste momento impar da minha vida, meu estado de espírito. Meu, só meu.

É... eu tenho um espaça vago no peito. Que por enquanto continuará sem locatário, ou morador fixo. Continuará assim como está. E se eu gosto disso? Agora eu gosto. Agora sei que este NADA no peito, é o espaço que eu tenho para arrumar as coisas nos seus lugares, é o meu final de semana para arrumar a casa. Sei que isso algumas vezes é inoportuno, incomodo... Mas é o tempo que tenho para ajeitar tudo como eu gosto, para espanar os móveis, e claro, não deixar que nada de ruim entre e bagunce tudo, que nada termine com minha paz.

Pois onde nada existe, algo um dia nasce... Bom ou ruim. E espero que a única coisa ruim que eu precise enfrentar, seja o frio.

Que a minha paz continue sendo a minha prioridade, que minhas ânsias por aventuras lascivas... Sejam sanadas por lembranças boas, que a vida continue fluindo por todo o lugar e que nenhuma erva daninha nasça em meu jardim.

E eu saberei... O momento em que “verei flores em você”.



P.s.: Texto que escrevi originalmente para o Condado dos Sonhadores.

10 comentários:

Nathália disse...

Não sei porque quase todo mundo diz que só se é realmente feliz quando se tem alguém do lado, no sentido de, sei lá... Casar com a pessoa? Entende?
Pô, felicidade depender de outra pessoa... Isso me assusta.

:*

Super Nada disse...

... o0 ...

Uma coisa que aprendi nesse longo tempo, em que prefiro sempre ficar só, é que não adianta ter espaços vazios, porque alguma coisa (nem sempre uma pessoa) vai ocupa-lo em algum momento nada oportuno.

Luh disse...

Eeei, gostei do seu blog e dos seus textos.
Às vezes eu também reparo que ao meu redor todo mundo parece que está apaixonado ou em busca de um amor e eu me pergunto se é assim tão errado querer ficar sozinha, tirando uns momentos de carência..

beeijo.

Geminiana Doce disse...

"Mas amar pode ser uma opção."
Toop vc sempre me surpreende!!
Adoro como escreve,na próxima encarnação quero nascer escritora...rsrs
Nessa vim atriz e cantora,na próxima quero vim com o dom de escrever assim tão lindo como vc!!
Bjos,luz e uma semana linda!!

Krika disse...

E diga-se de passagem que aqui faz muito calor! :O Na verdade quando faz frio na minha cidade passa até no noticiário como reportagem principal, não é a toda que é uma das cidades mais quentes do país. UIA! Lindona, tenho certeza que esse espaço no seu peito será logo preenchido e quando isso acontecer espero que seja muuuito feliz!

Super Beijo! ;)

Silent Wings disse...

E quando uma pessoa acaba um relacionamento e toda a gente começa a perguntar: "Quando vais refazer a tua vida?".
Mas porquê, estar sozinho é ter a vida desfeita?
E quando se está com alguém ao lado e se sente uma solidão profunda? Não é muito mais triste?
É um silêncio barulhento e incomodativo, uma falta de espaço para estarmos com os nossos pensamentos!
Acompanhado sim...mas por uma boa causa!

Nathália disse...

Que medo!
Eu vim ver se tinha postagem nova e daí me deparo com aquela declaração de amor às avessas.
Hahahaha

matheuss disse...

acho que eu gosto de não gostar muito de alguém, dá mais segurança.

Adriano DiCarvalho disse...

Coisa mais bonita... e triste. Mas até a tristeza toda é bela. Sem dúvidas. Que frio agoniante e sábio. Aliás, sabias colocações viu! Mesmo. parabéns!

E ah, tem presentinho pra você lá no meu cantinho viu! Passa pra buscar depois.

bjão.

Mary West disse...

Eu naum amo e gosto de sentir frio. Meu futuro promete heim? :D