terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Adeus Sofia



Nina toma banho com o som ligado a "todo volume", escuta seu bom e já velho Arctic Monkeys que tanto lhe gusta dançar. Dançar e dançar no chuveiro e pensando que a água do planeta ta acabando. Mais algo para ela pesar em sua consciência obesa de problemas.
Mas ela canta um: Well oh they might wear classic Reeboks
Or knackered Converse, or tracky bottoms tucked in socks
But all of that's what the point is not
The point's that there ain't no romance around there

And there's the truth that they can't see
They'd probably like to throw a punch at me
And if you could only see them, then you would agree
Agree that there ain't no romance around there. Muito desafinada e simplesmente livre. Livre de quem um dia ela se lamentou em ser e livre de quem lhe acorrentou. Apenas se divertia em ser ela mesma... criança, adulta, velha, divertida, chata, feia, linda e muuuuuuuito boca suja... Apenas ela.
...
Teve um dia que Nina desejou morrer, sumir ou simplesmente desaparecer. Parar de pensar em suas magoas ainda recentes e esquecer de TUDO. Lhe disseram:
-Você deve continuar vivendo minha menina.
Mas não foi assim, ela parou de viver e se resignou a simplesmente existir. Começou a estudar mais, tornar suas amizades mais verdadeiras e profundas, suas festas mais cotidianas e a bebida uma boa saída.
O tempo foi passando e ela não se lembra muito bem do momento exato em que ela deixou de pensar, deixou de se torturar e se ferir com as memórias. Foi um dia depois do outro, como o passo-a-passo de um velho viciado. Viciada em magoas.
Teve o dia em que ela passou por ele deu "oi" sem ao menos se lembrar do que aconteceu, um "oi" que foi surpresa para ambos que acreditavam que ela era a menina egoísta, vingativa e mimada que a maioria julgava na época... só um "oi" sem magoas ou recordações.
E foi aí que ela percebeu que já tinha apagado, esquecido e nem se lembrava mais da voz dele, do toque ou do cheiro.... só apagou.
...
E hoje no chuveiro ela sorri livre de tudo, livre do que ela já foi.
Se lembra dos amigos que ela ama, de todos que lhe fazem feliz. Pensa no dia em que irá se apaixonar novamente... só cogita a hipótese sem se prender aos detalhes.
Um amigo... Um colega... Um conhecido... UM DIA.
Mas agora só o Arctic Monkeys lhe interessa, e claro, a água que está acabando.

3 comentários:

Giovanna disse...

Olá!
Bem, desculpe-me pela demora a lhe responder, mas não estou podendo entrar com frequência na internet.

Gostei da escolha do nome: Sofia.
Se me minha mãe lesse seu texto entenderia porque demoro tanto no banho.

Mas todo o sofrimento que a Anita passa é causado por ela e seus problemas 'internos'. E mais tarde, quem sabe, ela não encontra um homem digno de seu amor.

Posso adicioná-la nos Links?

ana disse...

agora eu entendo o seu comentário na pequena frase.
não sei porque mas o reli várias vezes.

Jéssica Rose disse...

http://www.youtube.com/watch?v=iUHjDJxkcSE&eurl=http://www.orkut.com/FavoriteVideos.aspx?uid=15759854131123607935

trilha em que leio seu blog