quarta-feira, 1 de julho de 2009

Em mim...


Durante muito tempo me mantive a margem da vida que tinha antes, totalmente distante das minhas crenças e medos, como quem tirou uma máscara e se deixou queimar com sol... Era uma sensação boa de poder fazer diferente, de ser calma, ter paz e alguma coisa bonita pra poder ser orgulhar.

Durante quase um ano.

Mas me perdi novamente em mais uma esquina, mais um desalinho na minha conduta que estava sendo quase perfeita, impecável e admirável... Perdi-me.

Alguns dias, um instrutor de um curso que contratei para empresa me convidando para fazer um vôo livre, uma brincadeira boba, alguns livros e filmes que me fizeram pensar. Coisas simples, mas que para este coração aqui, foram catástrofes.

“águas paradas são profundas”. Foi a última frase que o instrutor me disse... Uma das primeiras que DG me falou. [...] Comecei a sentir a falta, ausência, saudade e carinho de tanta gente, coisa e situações que eu vivia antes.

Deu vontade de voltar, pedir um colo para uma amiga, convidar algumas pessoas para beber, viver outro amor, chorar por alguém que eu não soube ter, rir, sair e ser igual antes... Eu.




- Trecho da Música Flerte Fatal... Ira!

"São Paulo
5:03 da manhã sinto a ferrugem, telefone continua calado.
Chego em casa tomo meu wisky e alimento mais a minha solidão
O gosto amargo insiste em permanecer no meu corpo
Corpo...corpo...está nú...
Gelado com o peito ardendo, gritando por socorro, preste a cair do 14º andar...
A sacada é curta, o grito é inevitável...
Eu vou acordar o vizinho, eu vou riscar os corpos, eu vou te telefonar...
E dizer que eu só preciso dormir..."


Tanta gente hoje descansa em paz
Um rock star agora é lenda
Esse flerte é um flerte fatal
Esse flerte é um flerte fatal
Que vai te consumir
Em busca de um prazer individual
Esse flerte é um flerte fatal
É sempre gente muito especial

3 comentários:

Gabi Magnani disse...

Adorei a música, hehe! E do texto, fiquei até arrepiada, meus parabéns!

Salve Jorge disse...

Eu prefiro um delírio
De você
Aquilo que está além
O que nem sempre se vê
Pra que colírio?
Se você cai bem
Como um soco no olho
Nada de barbas de molho
Nem de ficar a mercê
Perpétuo martírio
Diante da tv
Corra atrás
Do que não fica sem
Desce do trem
Você pode mais
Como ninguém faz
Pra que paz?
Só veja o trilho
Ao lonje
Chuta o monge
Como eu sempre te pilho
Deixa pros pombos
O milho
E vai fazer teus rombos
Saborear teu tombos
Que pra mim não é nenhum assombro
Você ter saudades de você...

Salve Jorge disse...

"Eu preciso encontrar
Um lugar legal pra mim
Dançar e me escabelar
Tem que ter um som legal
Tem que ter gente legal
E ter cerveja barata

Um lugar onde as pessoas
Sejam mesmo afudê
Um lugar onde as pessoas
Sejam loucas e super chapadas
Um lugar do caralho

Sozinho pelas ruas de São Paulo
Eu quero achar alguém pra mim
Um alguém tipo assim
Que goste de beber e falar
LSD queira tomar
E curta Syd Barrett e os Beatles

Um lugar e um alguém
Que tornarão-me mais feliz
Um lugar onde as pessoas
Sejam loucas e super chapadas
Um lugar do caralho
Lugar do caralho

Sozinho pelas ruas de São Paulo
Eu quero achar alguém pra mim
Um alguém tipo assim
Que goste de beber e falar
LSD queira tomar
E curta Syd Barrett e os Beatles

Um lugar e um alguém
Que tornarão-me mais feliz
Um lugar onde as pessoas
Sejam loucas e super chapadas
Um lugar do caralho
Lugar do caralho"