quinta-feira, 10 de junho de 2010

Primeiro dia.



Desde que voltei das minhas super férias de dez dias (¬¬) não tenho conseguido me adaptar a rotina de trabalho e por mais que eu tente, me sacrifique e me desesperei, parece é que o mundo todo está desabando só na minha cabeça!
Mas como para o mal e o absurdo não há limites, eu simplesmente me desiludi com a minha vida acadêmica. Ou seja: Vou trocar de curso, trabalho e se for possível mudo até de nome!
Sempre me dou mal S/A.
Essas mudanças já estão sendo pensadas há algum tempo, mas para confessar mesmo, só tive coragem de fazê-lo nesta semana. Quem já soube se assustou e quem não soube, não pôde nem imaginar que estou pronta para me entregar a minha inconstância habitual. Pois ter a vida lapidada em mármore é muito bonita de longe, mas patética para quem de perto vê.
Eu era muito melhor antes e tinha sonhos (pois só agora começo a ter algum), mas daí vem aquele bloco de concreto que é a rotina, e vai te amassando e reduzindo tudo que era gigantesco em mínimo, até mesmo em inexistente. E se me deixei podar, bom, o problema é só meu e agora pago caro por cada dia roubado: Noites de pura insônia, crises de gastrite, falta de paciência e olheiras monstruosas e assassinas prontas para atacar.
Nestes quase dois anos aprendi muito, que orgulho de mim! Que aprendi a analisar a dor para reduzir gasto, criei a política de troca de favores, disse não quando era obrigada a dizer sim e só me importei com resultados, ineficientes no setor sempre eram reduzidos a nada (por mim). Se tudo desse certo, aos cinco anos de empresa me tornaria a sem caráter mais jovem dos últimos cem anos da multinacional.
Enfim acordei. Há algum tempo penso nisso, mas acho mesmo que tudo só aconteceu quando comecei uma conversa por e-mail com um amigo. [...] Nada sobre o assunto e nem perto, mas o longo tempo me lembrou outras conversas, que me lembraram antigos pensamentos e que depois me fizeram reler coisas que escrevi há mais de dois anos atrás. Coisas como: “Assim como ela também me sinto pequena diante do mundo, ah... E também quero ver coisas que meu pai não pode ver”.
É inacreditável, mas já não me sentia pequena e nem curiosa diante do mundo. Não me sentia viva... Até agora.

**Desenho da linda Cornflake

2 comentários:

Í.ta** disse...

nunca é tarde,
nunca mesmo.

beijo!

Paulo disse...

Crises nos acompanham desde sempre. Precisamos é sair delas com algum valor acrescentado.
Boa sorte nas tuas decisões.