sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

É isso aí.


É sempre estranho ver as pessoas escrevendo coisas que elas não sabem, sobre pessoas que elas não conhecem. É estranho ver como ela julga saber de coisas que nem eu mesma sabia que existiam dentro de mim, coisas transbordando à olhos vistos... à olhos cegos.
E ela conclui que eu não amo ninguém, sempre eu com minhas paixões platônicas e meus fantasmas encubados em algum lugar por aqui (vasculhando as roupas), mas amor que é bom, nada. E é sempre assim, eu sem um coração.
"MEO! Quando eu crescer quero ser igual a você!!!!"
E o que tem demais em ser eu? em ser uma perdida neste mundo?
Este mundo em que todos estão sempre procurando, achando e perdendo... tudo simultaneo e veloz.... acha, destrói, perde, acha, destrói, perde,....
E eu nem sei o que devo procurar, muito menos se vou querer perder quando encontrar.
"A filha do vento
Sem amor sem glória"
....
E é nestas horas que eu fico pensando:
-será que só eu sou a errada em toda esta história?
A história de conhecer alguém, ser feliz, casar e ter filhos. A grande história que nos é vendida ainda na maternidade, pelo padre na hora do batizado e pelos pais que gostariam ter lindos nétinhos e uma grande família reunida no almoço de domingo.
Será que sou só eu que não sei lidar com estereótipos? ainda mais estereótipos de sonhos.... não me cabe todo este plano prontinho na minha vida.
Eu fico pensando na insanidade que seria se morasse com alguém, todo santo dia olhando para uma pessoa que (bem ou mal) eu mal conheço. Porque aliás, eu não conheço nem a mim mesma!!!!! Não dá, eu não conseguiria, seria mais forte que eu... o fim!
Filhos? Não, não, não para esta década de vida. Tenho pena de pensar em como seria os meus filhos, em como eles seriam doidinhos os coitados, anti-sociais, seriam crianças estranhas isso sim. Claro, se puxarem a mãe... mas se puxarem ao pai.... Sabe que eu ainda não sei, ainda não pensei em como eu gostaria que fosse o pai dos meus filhos (nossa, deu um gelo na barriga agora, "meus filhos", deu éco aqui dentro).
Minha mãe se casou quando tinha a minha idade, me pergunto todo dia como isto poderia ser possível! E apenas me vem a cabeça que eu estou estragando a linha do tempo, estou desregulando as gerações, pois minha avó se casou com 17. E eu aqui, "livre leve e solta" e super mal vista pela família de mamãe.
...

E é assim mesmo, um montão de dúvidas sobrevoando a minha cabeça, outras aqui dentro devastando o meu coração e no fim "segue o teu coração que ele é a tua bússola"....
A gente só acerta quando tenta. E eu sou boa nisso, em tentar ser feliz, em tentar dar chance para os outros e sobre tudo, para mim mesma.
Não me interessa se continuo surtando todo santo dia, se continuo dando murro em facas, contar as gotas do oceano... só me interessa as oportunidades que aproveito para ser feliz e fazer os outros felizes.
"Não vá! você só vai se magoar!"
"Talvez... mas talvez se eu não me magoar desta vez, quem sabe eu nunca descubra como é ser feliz de verdade?"
E quem se importa com a linha do tempo? com o desenvolvimento das gerações? ou para o que os outros acham do seu coração?
Eu? eu não... e é por isso que continuo apostando.

8 comentários:

duarte disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
duarte disse...

Segue teu coração que é a tua bússola...
Vc tem um bom coração, por isso sua agulinha está sempre apontando para o norte e vc não quer fazer mal aos outros. Mas não vou te desejar que esta bússula te leve à FELICIDAE, até porque, ultimamente, só tenho desejado aos outros a possibilidade de encontrar paz de espírito.

Jana disse...

Duvidas, perguntas e questionamentos teremos sempre. Nunca teremos as respostas, a vida se encarrega. Eu nunca quis ter filhos até me ver grávida... E aprendi, e não virou um maluco nem coitado. Nunca quis casar, ate acasa e separar... E assim vamos indo

Mas sonhos,... acho que nesses nunca acreditei...

Beijos

forever disse...

retribuindo a visita...
valeu!
seu blog é muito bom,
me identifico muito com o que escreve, já está nos meus favoritos...
beijos pra vc

Márcia(clarinha) disse...

Mas o que nos impulsiona e motiva a viver senão as duvidas, os questionamentos e a mesmice de encontrar um amor, casar e ter filhos?
Mesmice? que nada, absoluta originalidade de sentimentos.
Belo seu texto, faz pensar.
dias lindos,flor
beijos

Ronaldinho disse...

Passei para conhecer, li, gostei, acho que tens um caminho a seguir, basta olhar o horizonte e deixar a vida comandar

bjs

Lana disse...

que mais vc quer que eu diga...já tem bastante gente pra comentar e aconselhar...

Jéssica Rose disse...

hum..
espero não ter inspirado a primeira frase do blog